Friday, November 25, 2005

The Day After!

Ontem foi Thanksgiving Day. Nao trabalhei e consequentemente dormi ate mais tarde. Me arrastei ate a porta de entrada tomando o cuidado de desligar o alarme para nao acordar o vizinho que devia estar dormindo ainda. Por ser feriado, o Thanksgiving Day eh tao esperado quanto o jornal que eles atiram na calcada da minha casa. Todo ano eh o mesmo ritual: acorda e corre pra porta pra pegar o jornal para digerir cada pagina do caderno de PROMOCOES!! O dia depois do Thanksgiving Day eh o kick off da temporada das compras de Natal e as lojas lancam super promocoes para atrair os consumidores.
Ate ai tudo bem, afinal de contas quem nao gosta de comprar coisas por um preco promocional? O grande problema eh que essa 6a feira apos o Thanksgiving (chamada de Black Friday) eh um sonho pros comerciantes e um pesadelo pros consumidores. TODAS as pessoas saem de casa e abarrotam as lojas. CADA UMA delas dirige UM carro, entao as ruas estao lotadas de todo tipo de motorista. Se voces acham que isso eh uma loucura capitalista, continuem a ler e se deliciem mais ainda.
Como os comerciantes querem dar mais tempo pros consumidores gastarem dinheiro (tudo pelo espirito natalino!!!), eles tem um horario especial para a Black Friday: a maioria das lojas abre as 5 da manha. Vou repetir: CINCO DA MANHA!!!!!
Ha dois anos atras sai de casa de madrugada para comprar um DVD. Todos os motoristas indo na mesma direcao tal qual uma boiada. Como se podia esperar, nao havia vagas no estacionamento do Walmart mas consegui me espremer entre dois carros. Quase perco o folego correndo pra sessao de eletronicos e quando chego la me deparo com as prateleiras com apenas dois DVDs restantes. Eramos 4 pessoas e dois DVDs. Visualise agora, com a ajuda da trilha sonora de Chariots of Fire, quatro desesperados correndo num corredor que so cabe duas pessoas para agarrar os dois ultimos DVDs. A senhora mais idosa ficou no meio do caminho. Eramos tres agora. O adolescente disparou na frente (adolescentes, alem de mal-cheirosos as vezes, correm feito gazelas!!). Ficou claro naqueles dois primeiros segundos de corrida que so restava um DVD e ele seria meu ou da senhora que usava uma bolsa Louis Viutton falsificada. Fiquei com pena da senhora mas ao mesmo tempo senti prazer pois sou totalmente contra a pirataria de seja la o que for. Com aquele bolsa falsificada ela nunca colocaria as maos naquele DVD made in China. Pensei no agradecimento que o Mounsier Vuitton poderia me fazer, mas a olhadela que a senhora me deu me fez sair dos meus pensamentos e sai dali rapidinho. O adolescente mal cheiroso ainda soltou uma risadinha sarcastica e a senhora murmurou alguma coisa para a velhinha que havia desistido da corrida. Fui pro caixa com aquela caixa de DVD debaixo do braco me sentindo vitorioso. Mas por conta desse incidente, resolvi que nao iria mais me aventurar nas proximas Black Fridays da vida. Iria dormir uma noite tranquila e realizar meus sonhos de consumo fazendo contas parcelas no cartao de credito. Nao haveria mais senhoras idosas, nem adolescentes mal cheirosos e muito menos bolsas Louis Vuitton falsificadas.
Dois anos se passaram. Thanksgiving Day. Acordo tarde. Desligo o alarme. Preguicosamente apanho o jornal na calcada. O habito de ler a sessao de promocoes nao se alterou, apenas o desejo de sair para guerrear em lojas super lotadas havia sido aniquilado. Ou melhor, deveria ter sido aniquilado. Um computador por 150 dolares eh irreal!! A gente passa a precisar das coisas quando elas se mostram pecaminosamente atraentes. Eu podia nao estar precisando de um computador, mas a partir do momento que ele custava $150 eu senti que eu ja devia ter trocado de computador a muito tempo.
O alarme toca as 3:30 da manha. Me avisaram que no Best Buy (nao mais no Walmart pois queria diminuir a chance de encontrar alguem usando um rolex comprado nas calcadas de Roma) era aconselhavel chegar pelo menos uma hora antes. Dirijo acima do limite para nao perder a hora. So diminuo a velocidade para pagar o pedagio. Chego na Best Buy e nao ha mais estacionamento na frente da loja (como nos anos anteriores, cada um foi no seu carro). Consegui uma vaga por tras da loja, onde os caminhoes estacionam para descarregar a mercadoria. Era um local meio escuro, meio sujo, mas nao fazia mal, o fim da fila era ali. Isso mesmo!! Mais de uma hora antes da loja abrir e a fila ja estava dando voltas. Tentei agir "cool" como quem diz: "vim porque quiz, adoro acordar de madrugada e ficar em pe numa fila por mais de uma hora eh o meu hobbie favorito."
Exatamente as 5 horas da manha as portas abrem. Nao, nada de desespero, nada de correria, nada de atropelamento, nem rolexes falsos. Tudo muito civilizado, inclusive quando tive que pular por cima do colchao de alguem que tinha passado a noite dormindo no chao guardando a sua vaga para ser a centesima trigesima setima pessoa a entrar no Best Buy. O primeiro grupo entra na loja e os policiais barram a entrada de mais pessoas para nao super-populacionar o interior da loja. A medida que as pessoas vao saindo, outras vao entrando, exatamente como num formigueiro (nunca fui formiga, mas acredito que deve ser algo parecido). Finalmente a minha vez chega e eu adentro o Best Buy com o ar confiante de quem acabou de adquirir um computador por 150 dolares. Para nao perder nem um segundo do meu precioso tempo, me dirijo a um funcionario da loja que me aponta em direcao aos computadores da promocao. Nao me surpreendo quando, chegando ao local, havia uma fila que girava umas quatro vezes pelos corredores da loja. Todos educadamente em fila indiana esperando sua vez de concretizar a compra. Nesse momento agradeco a Deus por morar num pais capitalista.
A fila se arrasta, mas agora nada mais importa. Ja sou amigo da senhora senior imediatamente a minha frente que cansadamente fica num pe e no outro tentando descansar. Bem assim troco palavras com um conterraneo turista brasileiro logo atras de mim. Nao, no Brasil isso nunca seria possivel. Pais de primeiro mundo eh outra coisa. Ar condicionado, organizacao, pessoas educadas e um preco inimaginavel. Eu poderia vender esse computador no Brasil pelo triplo do preco. A senhora a minha frente ri do nosso portugues, por nao entender nada, e diz que o neto dela vai ficar hiper feliz com o computodor que vai ganhar de natal.
Ja se passou uma hora e meia e os sinais de cansaco comecam a aparecer. Mas as TVs ligadas e as caixas de som estourando com um rock nao identificado nao nos deixa desaminar. Na ultima curva, antes de chegar ao balcao para fazer o nosso pedido, esta em pe um funcionario da Best Buy entretendo as pessoas que chegam ate ali. Ele segura uma espada iluminada de vermelho que se acende quando ele a gira no ar. Ele faz uns sons esquisitos e sorri com a boca bem aberta mostrando pelo menos duas caries nos dentes da frente. Mas num pais de primeiro mundo ninguem presta atencao no que as pessoas vestem ou se elas precisam ir ao dentista. Cada um gasta o dinheiro como quer, e hoje eu quero gastar com o meu computador novo.
Finalmente chegamos perto do funcionario com a espada luminosa e de dentes cariados. Perguntamos quantos computadores cada pessoa pode comprar. Ele acende a espada, da um sorriso e pergunta qual o tipo de computador que iremos comprar. Tiro o anuncio de dentro do meu casaco e mostro pra ele exatamente o que nos tres (eu, a senhora e o turista brasileiro), que agora somos amigos, queremos. Ainda girando a espada no ar ele sussura: Sold Out (nao ha mais em estoque). A senhora solta um sonoro "WHAT?", o turista brasileiro nao entende o que esta acontecendo e pede pra traduzir. Quanto a mim, eu apenas pergunto se ele poderia me ajudar a achar o CD acustico do Michael Jackson ja que eu nao mais teria o computador para comprar. A senhora sai bufando atras do gerente, o turista brasileiro vai para a fila das camaras digitais e eu saio rindo. Rio do pobre vendendor que foi procurar o CD acustico de Michael Jackson e ate uma hora dessas deve estar la procurando. Rio de mim mesmo a caminho do carro. Rio tambem das pessoas que ainda estao na fila do lado de fora do Best Buys comentando sobre os produtos anunciados na promocao e o que cada um vai comprar. Olho pra um deles e digo que o computador que ele vai comprar por 150 dolares eh muito bom, mas se ele for comprar o CD acustico do Michael Jackson, esse infelizmente ja esta SOLD OUT! Ele nao entende muito bem o que estou falando e diz pra nova amiga dele logo a sua frente que ha muito tempo ele vem olhando as promocoes para poder comprar um computador pro filho que esta indo pra faculdade. E eu penso comigo: Quem sabe no ano que vem ele nao acorda mais cedo e consegue comprar o computador? Quem sabe no ano que vem os computadores custarao 150 dolares sem precisar estar em promocao? Quem sabe no ano que vem eu tomo vergonha na cara e tomo um Lexotan depois de me empanturrar de peru no Thanksgiving Day para que no day after eu nao tenha a tentacao de querer comprar a TV plasma que sempre quiz e esta em promocao por $250 no Circuit City?! Antes de abrir a porta do carro, acho tudo isso uma loucura e decido que quando chegar em casa estarei cancelando a assinatura do jornal. E ponto final.

13 comments:

Test said...

Isso eh um teste

Tereza said...

Puxa João não sabia desta sua veia de escritor,muito bem!

Quase que choro com o fim da história, morri de pena de você e dos outros que esperam tanto por um sonho, ainda bem que é só um sonho material, poderia ser um plano de vida que não deu certo!!
Muito bem amido foi maravilhoso particifar deste day after sem estar aí, adorei...

Tereza

Anonymous said...

Querido filho, não sabe o quanto fiquei orgulhosa de você. Sei que você tem a quem puxar com tanta eloquência. Lembra de seu avô? Continue escrevendo e estarei acompanhando cada mensagem. Lembro-me quando seu pai e eu, lá na Africa do Sul fizemos uma corrida desta e tb não conseguimos nada. Parabéns mesmo com muito orgulho de ser sua mãe.

Marla

Lucas Villa said...

Rapaz.. que loucura! :)
Se o final fosse outro, ia te encomendar um desses computadores no próximo day after.. uheauhea

Tu usas msn?! aparece, criatura!!
grandes abraços de teu sempre amigo

Titinha said...

adorei a novidade do blog tio jlivio...naum li o texto todo pq tô entrando rapidamente na net...mas depois volto e leio tudo viu?um beijo pra tods ai.bjus pa naty e juju...
ps:o título eh deveras interessante!

Luza Norberto said...

Mano, what can I say? Super!!!! But...Se o cara que entregar o jornal no proximo ano errar de porta e voce receber... caso a tentacao chegue... me avisa que no titulo de irma, fa e amiga eu vou fazer companhia em qualquer fila.
Super, adorei. Com certeza esse dom vem no sangue mesmo, porem para mim e so felicidade de ve-lo publicar, pois ja sabia do seu talento. Lembra em S. Angelo o que voce escreveu para painho. Eu NUNCA me esqueci daquela. Keep up brother!!! Maninha Luza

Iu said...

Baby, voce ja canselou o jornal??? Bom, no proximo ano mesmo que entreguem o jornal nao deixarei voce ir...::)))
Agora falando serio, adorei o texto. Continue escrevendo...Beijos,
Iu.

Will Hunting said...

Hey John. Rapaz, ficou bonito demais isso aqui viu? Massa mesmo...Arretado!!!
Eu ja conhecia essa sua veia de contar causos... agora botando no "papel" vai ficar muito melhor...
Adorei esse primeiro post, quase papoco de rir...

Um abração grande!!!

creso figueiredo said...

João me senti como um americano,fiquei torcendo para vc conseguir o computador,pena que a $150,nem que tivesse 1000 computadores.Mas valeu pelo exercício.Um abraço.Creso Figueiredo

Bebinha said...

Tudo bem, não sou a primeira, sou a décima... é um belo número, não acha?
Ri sozinha, desejando que ninguém aparecesse na sala pra não ser chamada de maluca...
Adorei! A questão é: Onde se encaixaria este "escrito": ficção ou não-ficção???
(Não vou negar que desejo que tenha sido "não-ficção", mas compreenderei se for o contrário!)

Will Hunting said...

John, vc poderia colocar um contador no blog... é bem legal...se quiser eu te ensino.

Anonymous said...

João Lívio,
Que textos lindos. Acho que vou aproveitar e ler o que fala de Natal na reunião natalina da Wizard. Adorei Tecaw

Luza Norberto said...

Mano, so agora tive tempo silencioso e a sos para ler o seu texto de Natal. Descrição perfeita da sensacao Natalina no seu nascente. Parabens mano, lindo! Bravo. I am waiting for the next one. Sua sis Luza