Thursday, March 20, 2008

Short Stories - O passeio de taxi


Ele imaginou que em 30 segundos ela voltaria. Mas a porta bateu e o elevador desceu. Ela nem olhou para tras. Não havia soluços na garganta nem lágrimas nos olhos. Havia a sensação de tempo perdido, de investimento mal aplicado, de amor dilacerado. E depois de acomodada no taxi ela se deu a pensar.

Quando se aplica em dinheiro e se perde dinheiro, o fato é simples. O dinheiro é físico e uma vez que não se tem, não há mais como resgastá-lo. Há como se fazer mais dinheiro, mas não mais aquele.

Quando se aplica no amor e se perde o amor, o fato é simples. O amor é sentimento e uma vez que não se tem, não há mais como resgatá-lo. Há como amar outra vez, mas não mais aquele.

O taxi parava nos sinais e e ela continuava a pensar.

Não sabia se fora paixão ou amor. Ela sempre dizia que deixaria as definições e as diferenças serem explicadas pelos poetas que sempre teem mais tempo de experimentar e fazer a compensação dos seus experimentos. O tempo não fora importante porque o amor dura o tempo que dura e nem um segundo a mais. O importante é a dedicação e cada segundo de um tempo que não existe, mas que se torce que não acabe nunca. E assim foi com ela. A dedicação foi incondicional e o segundo durou o seu tempo.

O taxi parou no destino final e ela pediu para voltar. O mesmo caminho de volta, o elevador, a porta e desta vez ela não usou a chave visto que não era mais a sua casa. Bateu à porta e foi atendida por ele. Pegou uns restos de coisas, o beijou no rosto, entregou a chave e confirmou que não iria mudar o número do celular. Ele, um ponto de interrogação. Ela, um ponto parágrafo.

No elevador ela ainda se deixou pensar. Mas desse último pensar nada mais registrou, apenas que o amor não acaba nunca. Ele pode, sim, mudar. Mas acabar, não!! Isso não é coisa de amor.

Retoca a maquiagem e o taxi parte outra vez.

3 comments:

Bel said...

Uau!
Retornou em grande estilo...
E tks Santo Google Reader!
Bjooo

Camila said...

Bem-vindo de volta, tenho certeza que não sou a única que sentiu falta!
E que belo e perfeito texto!

Beijo!

Carla Quarim said...

Que texto maravilhoso... Traduz perfeitamente o fim sem brigas... roubei, vou colocar no meu blog, com os devidos créditos, claaaaaaaaaaaaro!
Parabéns!!!